BAIXA ESTATURA DEVE SER ACOMPANHADA PRECOCEMENTE

OBESIDADE

11 de julho de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA : NUTRIÇÃO - O CONSUMO FREQUENTE DE REFRIGERANTES DIET INDUZ O AUMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL, LEVANDO A OBESIDADE ABDOMINAL, VISCERAL, RISCOS PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES E DIABETES

E ESSAS DOENÇAS GERALMENTE PODE SER ACOMPANHADA DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTEMICA OU PRESSÃO ALTA.


A percepção de que refrigerantes diet são uma alternativa benigna às bebidas altamente açucaradas pode ser perigosamente errado. Refrigerantes diet têm sido pensado para ser uma alternativa mais saudável aos seus homólogos açucarados, no entanto, estudos recentes mostram um aumento da incidência de obesidade, síndrome metabólica e diabetes com a ingestão freqüente de refrigerantes diet. O estudo foi realizado com indivíduos numa faixa etária de 65 a 74 anos de idade e examinaram o efeito do consumo em longo prazo de refrigerantes diet. Quando os resultados dessas observações foram comparados com os de indivíduos que não bebem refrigerantes diet, as diferenças foram marcantes. No geral, os consumidores de refrigerantes diet experimentaram um aumento de 70% maior na circunferência da cintura do que os não consumidores. Além disso, os que ingerem de dois ou mais refrigerantes diet por dia, a média de aumentos na circunferência da cintura foram cinco vezes maiores do que as registradas para os não consumidores. A circunferência abdominal avalia a gordura abdominal e esta é um importante fator de risco para o desenvolvimento do diabetes, doenças cardiovasculares, câncer e outras condições crônicas. Os resultados sugerem que a ingestão de aspartame (substância encontrada nos refrigerantes diet) poderia contribuir diretamente para o aumento de glicose no sangue. Assim, contribui para a associação observada entre o consumo de refrigerante diet e o risco de diabetes em humanos.
Após esta conclusão o ideal é abolir o consumo dos refrigerantes em geral substituindo por bebidas que promovem a saúde, como por exemplo, os sucos naturais, estes são ricos em vitaminas e minerais, mas isso desde que introduzido junto a uma alimentação saudável. Mudar certos hábitos alimentares está prevenindo futuras doenças relacionadas ao ganho de peso e obesidade, sobrepeso,obesidade abdominal, intra visceral ou central.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
 CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930 



Como Saber Mais: 
1. O consumo freqüente de refrigerantes diet pode desenvolver futuramente o diabetes...
http://crescersim.blogspot.com

2. A circunferência abdominal avalia a gordura abdominal...

3. A ingestão de aspartame (substância encontrada nos refrigerantes diet) poderia contribuir diretamente para o aumento de glicose no sangue...

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
FOWLER, S. P. MPH da University of Texas Health Science Center em San Antonio. Even Diet Soda Induces Weight Gain in the Elderly. American Diabetes Association (ADA) 71 Sessões Científicas, 2008;. 16:1894-1900.








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?
cid=5099901339000351730&q=
Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=
-23.578256,-46.645653&sspn=
0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=
-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

7 de abril de 2011

SOBREPESO, OBESIDADE E SAÚDE DA MULHER, OBESIDADE ABDOMINAL, INTRA - VISCERAL, CENTRAL, AFETA NEGATIVAMENTE A SAÚDE DAS MULHERES DE MUITAS MANEIRAS.

ESTAR COM SOBREPESO OU OBESIDADE AUMENTA O RISCO RELATIVO DE DIABETES E DOENÇA ARTERIAL CORONARIANA NA MULHER. MULHERES OBESAS TÊM MAIOR RISCO DE DOR LOMBAR E OSTEOARTRITE DO JOELHO.


A obesidade afeta negativamente a saúde das mulheres de muitas maneiras. Estar com sobrepeso ou obesidade aumenta o risco relativo de diabetes e doença arterial coronariana na mulher. Mulheres obesas têm maior risco de dor lombar e osteoartrite do joelho. A obesidade afeta negativamente tanto a  concepção e fecundidade. A obesidade materna está associada a maiores taxas de cesariana, bem como maiores taxas de alto risco, as condições obstétricas, tais como diabetes mellitus tipo 2 e hipertensão arterial sistêmica ou pressão alta.
Na gravidez os resultados são afetados negativamente pela obesidade materna (risco aumentado de mortalidade neonatal e malformações).
A obesidade materna está associada a uma diminuição da intenção de amamentar, diminuiu o início da amamentação, e diminuição da duração da amamentação. Parece haver uma associação entre obesidade e depressão em mulheres, apesar de fatores culturais podem influenciar esta associação. Mulheres obesas têm maior risco de câncer múltiplos, incluindo câncer de endométrio, câncer de colo uterino, câncer de mama e, talvez, o câncer de ovário. A prevalência (presença) da obesidade está aumentando. A Organização Mundial da Saúde estima que mais de 1 bilhão de pessoas estão acima do peso, com 300 milhões que são compatíveis e satisfazem os critérios para a obesidade, sobrepeso, obesidade abdominal, intra visceral, central. Vinte e seis por cento das mulheres não grávidas de 20-39 anos, estão com sobrepeso e 29% são obesas, portanto, mulheres não grávidas já superam 55% nesta idade, o que já é um verdadeiro desastre segundo a OMS. Nas mulheres, a circunferência da cintura maior que 88 cm é de alto risco, enquanto nos homens se o nível estiver maior 102 cm também e de alto risco. A classificação para sobrepeso e obesidade baseada no IMC associado à circunferência da cintura também pode ser usada para classificar sobrepeso e obesidade, obesidade abdominal, intra- visceral, central. O risco de diabetes mellitus (DM) aumento do grau e a duração do excesso de peso ou em pessoas com uma obesidade central ou visceral distribuição em relação ao maior nível de gordura corporal, este risco é mais significativo. O aumento da gordura visceral incrementa o grau de resistência à insulina associada, sobrepeso e obesidade, obesidade abdominal, intra- visceral, central. Por sua vez a resistência à insulina e aumento da gordura visceral são as características da síndrome metabólica, um conjunto de fatores de risco para desenvolver diabetes e doenças cardiovasculares com aumento da morbidade e letalidade.
A obesidade é um fator de risco independente para o desenvolvimento de doença arterial coronariana em mulheres, e é um fator de risco modificável de grande importância para a prevenção do desenvolvimento de doença arterial coronariana em mulheres, se tomarem ação preventiva e se tratarem, diminuindo o sobrepeso e obesidade, obesidade abdominal, intra - visceral, central. A passividade sem atitudes, representa um grande desastre para a mulher.


Endocrinologia – Neuroendocrinologia
Dr. João Santos Caio Jr.
CRM 20611

Endocrinologia – Medicina Interna
Dra. Henriqueta V. Caio
CRM 28930

Como saber mais:
1. A obesidade afeta negativamente a saúde das mulheres de muitas maneiras?
http://obesidedecontrolada1.blogspot.com/

2. Mulheres obesas têm maior risco de dor lombar e osteoartrite do joelho?
http://hormoniocrescimentoadultos.blogspot.com/

3. A obesidade materna está associada a maiores taxas de cesariana, bem como maiores taxas de alto risco, as condições obstétricas?
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com/



AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO 
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas:
Teresa Kulie, MD; Slattengren André, DO; Redmer Jackie, MD, MPH; Condes Helen, MD; Eglash Anne, MD; Schrager Sarina, MD, MS,2011/02/27; J Am Board Fam Med. 2011, 24 (1) :75-85. 








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


28 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: PENSE EM GENÉTICA COMO ARMA CARREGADA E O MEIO AMBIENTE COMO RESPONSÁVEL POR PUXAR O GATILHO. SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, VISCERAL, CENTRAL, É O GRANDE INDUTOR DO DIABETES MELLITUS TIPO 2, E SE NÓS REUNIRMOS ESTES DOIS FATORES, GENÉTICA E O MEIO AMBIENTE, .

NOSSA CHANCE É MUITO GRANDE DE DESENVOLVERMOS O DIABETES MELLITUS TIPO 2; POR OUTRO LADO, SE VOCÊ COLOCAR ESSA MESMA PESSOA EM UM AMBIENTE ONDE É DIFÍCIL GANHAR PESO, O DIABETES PODE NUNCA SE MANIFESTAR.


Em outras palavras, se você colocar uma pessoa que tem uma predisposição genética para o diabetes em um ambiente que promove o ganho de peso, seja ele o sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, visceral, central o paciente provavelmente irá se tornar diabético. por outro lado, se você colocar essa mesma pessoa em um ambiente onde é difícil ganhar o peso, sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, visceral, central, o diabetes pode nunca se manifestar. De todas as doenças que têm sido associadas com a obesidade, obesidade abdominal, visceral, central, não há provavelmente nenhuma outra doença que tem maior associação com o diabetesEm termos simples, contanto que alguém tenha  a predisposição genética (e muitos de nós possuímos), mais o peso que os paciente ganham, maiores as chances de se tornar um diabético tipo 2. Para explicar a relação entre obesidade e diabetes, é preciso primeiro entender como o ganho de peso humano ocorre. Uma das maneiras mais fáceis é pensarem em obesidade como o acúmulo de células de gordura que é vista como o ganho de gordura periférica. 
O ganho de gordura periférica refere-se à gordura subcutânea que é facilmente mensurável, fazendo um pinçamento da gordura sob a pele. Esta gordura é encontrada geralmente em torno do abdômen, coxas e braços, mas também pode ser encontrada em vários outros lugares, por via subcutânea ( por exemplo, o pescoço e costas). Gordura periférica é relativamente benigna em termos metabólicos, muito de seus efeitos deletérios são estruturais. Por exemplo, aumento da gordura periférica pode aumentar a carga sobre as articulações com o aumento do peso, dificultando a locomoção, exercícios e sobrecarga sobre as articulações de todo o corpo causando danos, independente da mudança dos contornos estéticos e uma enormidade de efeitos colaterais graves. O tipo de gordura que devemos focar, é a gordura causada por obesidade abdominal, visceral, central, que está profundamente arraigada no abdômen entre as vísceras e no tórax, e é encontrada ao redor ou, por vezes, nos órgãos do tórax, como pulmão, mediastino e coração. Difere da gordura periférica, na medida em que, não pode ser medida simplesmente pinçando ou beliscando a pele. Um exemplo de como essa gordura está associada a anormalidades cardiometabólicas é a presença de gordura omental (O omento é uma estrutura de grande quantidade de substâncias graxas (gorduras) que literalmente paira ao largo da média de seus dois pontos e drapeados sobre o intestino, dentro do abdômen) ao redor do intestino delgado e órgãos viscerais, como é o caso de "fígado gorduroso", ou esteatose hepática da doença também intra- fígado. Nos pacientes que têm o resultado elevado de testes de função hepática, com um nível de (alanina aminotransferase aproximadamente) um enzima específica dosada no sangue, referente ao fígado), 2 vezes o nível de (aspartato aminotransferase), outra enzima do fígado; estudos de imagem (por exemplo, tomografia computadorizada e ultra-sonografia abdominal) tipicamente mostram gordura extensa dentro do fígado. A gordura Central, obesidade abdominal, visceral,  também está associada com resistência à insulina e síndrome metabólica. Estes fatos são extremamente graves e de difícil terapêutica, pois ocorrem em diversos tipos de estadiamentos da obesidade, que nem mesmo a cirurgia bariátrica tem indicação.
Entretanto, a cada dia surgem novidades importantes focadas na terapêutica do problema grave da gordura Central, obesidade abdominal, visceral, que apesar de seu grande comprometimento metabólico. Estas terapêuticas têm ajudado a minorar ou até controlar este problema tão complexo quanto a síndrome metabólica.

Dr. João Santos Caio Jr. 
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
                                                              Endocrinologia – Medicina Interna
                                                             CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Se você colocar uma pessoa que tem uma predisposição genética para o diabetes em um ambiente que promove o ganho de peso poderá se tornar diabético?
http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

2. Gordura periférica é relativamente benigna em termos metabólicos, muito de seus efeitos deletérios são estruturais?
http://gorduravisceral.blogspot.com/

3. Nos pacientes que têm o resultado elevado de testes de função hepática no sangue, pode ser esteatose ou gordura no fígado?
http://obesidadeinfantojuvenil.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas:
1. E Ravussin, SR Smith. O aumento da ingestão de gordura, diminuição da oxidação de gordura e falta de proliferação de células de gordura em resultado o armazenamento de gordura ectópica, resistência à insulina e diabetes mellitus tipo 2. Ann NY Acad Sci. 2002;. 967:363-978
2. Ferreira eu MB Snijder, JW Twisk, et al. Central de massa gorda em relação a massa gorda e magra periféricos: oposto (negativo versus favorável) associações com rigidez arterial? O Crescimento de Amesterdã e do Estudo Longitudinal de Saúde. J Clin Endocrinol Metab. 2004;. 89:2632-2639
3. TS Burgert, Taksali SE, J Dziura, et al. níveis de alanina aminotransferase e fígado gordo da obesidade infantil: associações com a resistência à insulina, adiponectina e gordura visceral. J Clin Endocrinol Metab. 2006;. 91:4287-4294
4. Randle Garland, PB PJ, CN Hales, EA Newsholme. A glicose no ciclo do ácido graxa. Seu papel na sensibilidade à insulina e os distúrbios metabólicos da diabetes mellitus. Lancet. 1963;. 1:785-789
5. Frayn KN. Visceral e resistência à insulina gordura - causal ou correlativa. Br J Nutr. 2000; 83 Suppl 1: S77-. S71
6. Gade W, J Schmit, Collins M, J. Gade obesidade além: o diagnóstico e a fisiopatologia da síndrome metabólica.Sci Lab Clin. 2010; 23:51-61
7. Klein S, L Fontana, VL jovem, et al. Ausência de um efeito da lipoaspiração na ação da insulina e fatores de risco para doença cardíaca coronariana. N Engl J Med. 2004; 17:350:2549-2557.
8. Mohammed BS, Cohen S, D Reeds, Young VL, S. Efeitos a longo prazo Klein de lipoaspiração de grande volume de fatores de risco metabólicos para doenças coronarianas. Obesidade (Silver Spring). 2008;. 16:2648-2651
9. aumento na resistência à insulina no futuro americanos japoneses. Diabetes. 2008;. 57:1269-1275

10. Lear SA, KH Humphries, S Kohli, Chockalingam A, Frohlich Birmingham, CL JJ. Acúmulo de tecido adiposo. 








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com


Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/

Site Van Der Häägen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br 
 

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/placecid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=
0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

19 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA - NEUROENDOCRINOLOGIA: EM PACIENTES ADULTOS, DO SEXO MASCULINO E COM SOBREPESO,

OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, OBESIDADE INTRA-ABDOMINAL, VISCERAL OU CENTRAL, SÃO FATORES DE RISCO PARA A APNÉIA OBSTRUTIVA DO SONO. APNÉIA, RONCO ALTO PERTURBADOR, E A SONOLÊNCIA DIURNA.

Pacientes adultos, do sexo masculino com sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, obesidade  intra- visceral ou central, são fatores de risco para a apnéia obstrutiva do sono. A apnéia, ronco alto perturbador, e a sonolência diurna são queixas frequentes referidas na clínica diária, no entanto, nas crianças, nem esses fatores de risco, nem o perfil de sintomas são como preditivos para apnéia obstrutiva do sono, nas mulheres, não é incomum que estas queixas ocorram, entretanto dependendo do biotipo, pode ser mais acentuado. A obesidade visceral ou intra-abdominal oferece através de efeito mecânico exercido pelo acúmulo de gordura dentro da cavidade abdominal, pode dificultar a expansão do músculo diafragma, responsável pela expansão e contração do pulmão verticalmente e os músculos intercostais colaboram com a respiração do pulmão no sentido horizontal, levando à disfunção pulmonar com presença de hipercapnia (aumento do CO2 circulatório), e hipóxia (diminuição do oxigênio circulatório O2) e, por conseguinte, comprometerá todo o sistema respiratório. Se levarmos em consideração que estes pacientes também, apresentam um percentual elevado de todos os sintomas que caracterizam a síndrome metabólica, compostas por pelo menos quatro sintomas mais frequentes e sinais, também podem apresentar hipertensão arterial sistêmica, dislipidemia ou seja, colesterol total, mal colesterol LDL e o bom colesterol  HDL comprometidos, alterações dos triglicérides,  diabetes mellitus tipo 2 não necessariamente insulino dependente, além de outras disfunções metabólicas como resistência periférica à insulina, terá como responsável frequentemente todos os fatores para  o desencadeamento da síndrome de hipoventilação pulmonar e apnéia obstrutiva do sono, ronco alto perturbador, e a sonolência diurna que são freqüentes. Alguns estudos podem não concordar com o efeito mecânico da obesidade intra-abdominal para o desencadeamento de todo o processo respiratório, entretanto, é claro que, existem outros fatores não muito bem conhecidos que estariam envolvidos neste mecanismo nefasto como os estudos ainda in vitro, que abordam estes níveis plasmáticos circulantes de leptina (substância moduladora da grelina que aumentaria o apetite) e seus efeitos sobre a expressão de diversos neuropeptídios hipotalâmicos (receptores hipotalâmicos – receptores e substâncias produzidas através de estruturas encontradas no cérebro). A leptina também está envolvida no controle respiratório.
IN VITRO (laboratório) com deficiência de leptina (ob/ob) foram encontrados animais testados que apresentaram hipoventilação, obesidade, OBESIDADE INTRA-ABDOMINAL, OBESIDADE VISCERAL, e um comprometimento da resposta ventilatória hipercápnica (aumento do CO², em ambos  os quadros de vigília e sono, sugerindo que a leptina pode desempenhar um papel central na síndrome da hipoventilação no SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, OBESIDADE INTRA-ABDOMINAL, VISCERAL OU CENTRAL. Isto nos coloca em posição de promovermos todos os esforços, para diminuir a obesidade em geral, através de todas as armas do arsenal terapêutico, bem como corrigir nossos hábitos, estilo de vida e nutrição.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930
Como Saber Mais:
1. A apnéia do sono é mais comum em pessoas obesas e com outras disfunções metabolicas?
http://controladaobesidade.blogspot.com/



2.Mulheres obesas tem comprometimento secundário da respiração?
http://sobrepesopeso.blogspot.com/ 

3.A obesidade abdominal esta associada com ronco ruidoso além de outros mecanismos ?
http://gorduravisceral.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Referências Bibliográficas:
Diabetes Care 06 ,agosto 2010
Vasanti S. Malik, ScD,et al, Harvard School of Public. Health, Boston, Massachusetts. Teresa Kulie, MD; Slattengren André, DO; Redmer Jackie, MD, MPH; Condes Helen, MD; Eglash Anne, MD; Schrager Sarina, MD, MS,2011/02/27; J Am Board Fam Med. 2011.Emma Hitt, PhD Laurie Barclay, MD,Maria E Cataletto, MD Diretor Associado, Divisão de Pneumologia Pediátrica do Hospital da Universidade Winthrop, Professor de Pediatria Clínica, Universidade Estadual de Nova York em Stony Brook, diretor de Serviços para Crianças do sono do Hospital da Universidade Winthrop Hertz Gila, PhD, ABSM, Diretor do Centro de insônia e distúrbios do sono, Professor Associado da Clínica de Psiquiatria e Ciências do Comportamento da Universidade Estadual de Nova York em Stony Brook.










Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Seguir no Google Buzz


14 de março de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: ESTEATOSE HEPÁTICA, SOBREPESO,

OBESIDADE INTRA-ABDOMINAL, VISCERAL, CENTRAL; A INFECÇÃO HEPÁTICA GORDA PODE VARIAR DE FÍGADO GORDO SOZINHO (ESTEATOSE) PARA O FÍGADO GORDO ASSOCIADA À INFLAMAÇÃO (ESTEATOHEPATITE).

Ao levar as vísceras a ficarem com gordura intra-visceral como consequência da obesidade visceral,intra-abdominal, central e até mesmo o sobrepeso, temos que avaliar o fígado com gordura isoladamente para fazermos o diagnóstico de diferenciação como, infecção hepática gorda, pode variar de fígado gordo sozinho (esteatose), para o fígado gordo associada à inflamação (esteatohepatite). Essa condição pode ocorrer com o uso de álcool (esteatose hepática pelo álcool) ou na ausência de álcool (doença hepática gordurosa não alcoólica).
Doença hepática por obesidade e sobrepeso, obesidade visceral, central, é uma das causas mais comuns de testes de função hepática praticamente em quase todo o mundo, principalmente em países onde a obesidade e sobrepeso já superaram a barreira do razoável e se transformou em uma epidemia plena. O fígado gorduroso pode ser associado com o uso de álcool. Isso pode ocorrer com o mínimo de 380 ml de álcool ingeridos por semana. Lesões idênticas também podem ser causadas por outras doenças ou toxinas. Se a esteatohepatite está presente, mas uma história de uso de álcool não está, a condição é chamada esteatohepatite não alcoólica . A obesidade e sobrepeso promovem alteração nos resultados do fígado com acúmulo excessivo de lipídios (gordura) no interior dos hepatócitos (células hepáticas). O fígado gorduroso simples, é a principio, considerado benigno, mas a doença hepática gordurosa não alcoólica, pode evoluir para cirrose e pode estar associada com carcinoma hepatocelular.
Os principais fatores de risco para o fígado gordo simples doença hepática gordurosa não alcoólica e esteatose hepática pelo álcool são a obesidade, obesidade visceral, intra-abdominal, o sobrepeso e o diabetes e níveis elevados de triglicerídeos. A esteatose hepática é o acúmulo de triglicérides e outras gorduras nas células do fígado. Em alguns pacientes, isso pode ser acompanhada pela inflamação hepática e morte de células do fígado (esteatose hepática), cirrose hepática. Possíveis mecanismos fisiopatológicos incluem a diminuição de ácidos graxos beta-oxidação (não transformação em energia, e sim aumento através da glicose em glicogênio ou gordura de reserva; aumento da síntese de ácidos graxos endógenos (de origem orgânica) ou aumento de liberação de ácidos graxos para o fígado (aumento da gordura do fígado), e incorporação deficiente ou exportação de triglicérides, com sensível diminuição do bom colesterol (HDL). Portanto não devemos pensar que a obesidade, sobrepeso, esteatose hepática, bem como o alcoolismo são inofensivos, mudando apenas nossa silhueta, ao contrário, levará a doenças de gravidade extrema, podendo chegar ao êxito letal.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.Quais as consequências de uma da gordura no fígado não tratada?
http:/obesidadecontrlada1.blogspot.com/

2. A cirrose hepática pode estar ligada a Síndrome metabólica ? http://esteatosehepatica.blogspot.com/

3.A hepatite alcoólica um grave problema de saúde, porque sua associação com gordura no fígado leva o agravamento orgânico ?
http://diabetesmellitustipo2cia.blogspot.com/

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.

Referências Bibliográficas: 
Nature Magazine Rew. Janeiro de 2011, Endocrinology and Metabology Rew; Dawn Sears, MD,Professor Assistente de Medicina Interna,
Divisão de Gastroenterologia e Hepatologia; Scott et AL., Hospital Memorial Branco; Arioglu Elif, MD Professor Assistente de Medicina,
Divisão de Endocrinologia e Metabolismo, da Universidade de Michigan.








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/


Site Van Der Haagen Brazil 
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br



Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q
=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=
0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,-46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: PESSOAS OBESAS

(SOBREPESO, OBESIDADE, OBESIDADE ABDOMINAL, INTRA-ABDOMINAL, CENTRAL, VISCERAL) QUANDO PERDEM PESO PODEM ALTERAR SEU HUMOR PARA MELHOR.

Foi feita uma observação sobre pessoas obesas que participam de programas de perda de peso, com base nas alterações de atividade física e mudança do estilo de vida e verificou-se que elas podem apresentar melhorias em seu humor. Qual o peso perdido, não parece ser a questão, e ainda não está claro que isto ocorra devido a perda de peso em si. Já tinha sido observado que perdendo até mesmo uma pequena percentagem do seu peso corporal, as pessoas obesas (sobrepeso, obesidade, obesidade abdominal, intra-abdominal, central , visceral)​​podem melhorar a sua saúde física e mental, mesmo que ainda obesos.
Observações recentes, não pretendem “dar a entender que a perda de peso é um substituto para o tratamento de depressão clinicamente significativa”, disse o Dr. Anthony Fabricatore, cujos resultados apareceram em linha 22 de fevereiro no International Journal of Obesity.
As observações recentes, foram feitas através de um levantamento aleatório, relacionando-se a perda de peso, mesmo que pequena, e mudanças nos sintomas de depressão. Foram feitas observações especialmente sobre os sintomas relacionados à depressão e ao humor, ao invés de controle que tinham sido diagnosticados com depressão clínica. Como em um todo, as pessoas em quase todos os tipos de programas de perda de peso, verificaram-se melhorias em seu humor. Programas relacionados à mudança do estilo de vida teve um efeito mais positivo, e programas, incluindo atividade física também aliviava os sintomas de depressão. O tratamento com medicamento para perda de peso, no entanto, não teve impacto sobre o humor.
Quanto de peso foi perdido por cada pessoa, ou não, não foi vinculado com as suas mudanças de humor durante o programa de perda de peso. A observação feita, foi que pessoas que participam de programas de perda de peso, geralmente perdem de 5 a 10% do seu peso corporal inicial, e pode ser que depois de um certo ponto, uma maior perda de peso não continuaria exercendo efeito na melhoria do humor. “Excesso de dinheiro pode também não ser a única explicação para a melhoria do humor”, disse o Dr. Patrick Smith, pesquisador da Duke University Medical Center, em Durham, Carolina do Norte, cujo estudo foi incluído nesta observação. “A outra explicação possível é que, muitos desses programas de emagrecimento são feitos em grupo, que fornece algum apoio social e das outras pessoas participantes”, que poderia ajudar a melhorar os sintomas de depressão, disse ele.

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologia
CRM 20611 

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologia – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.Pessoas obesas que participam de programas de perda de peso, com base nas alterações de atividade física e mudança do estilo de vida podem melhorar o humor?
http://queroemagrecermais.blogspot.com

2.Após se perder de 5 a 10% do peso inicial o humor sofre uma melhoria, mas se esta pessoa continuar a perder peso o humor melhora ainda mais?
http://serobesonao.blogspot.com

3.A perda de peso substitui o tratamento para depressão? http://obesidadecontrolada3.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOBRAFICA.



Referências Bibliográficas:
Dr. Anthony Fabricatore - International Journal of Obesity – 2011
Dr. Patrick Smith - Duke University Medical Center, em Durham, Carolina do Norte – USA. 








Contato:
Fones: (11)5572-4848/ (11) 2371-3337/ ou 98197-4706 TIM
Rua: Estela, 515 – Bloco D -12ºandar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: vanderhaagen@gmail.com

Site Clinicas Caio
http://drcaiojr.site.med.br/
http://dracaio.site.med.br/